Não aprendi a voar.

Por Gabriela Angelo.

*.*

No episódio de hoje...

Fechando e abrindo a geladeira,
cabelo desarrumado e a cara inchada,
às vezes eu me sinto num filme ou em um seriado,
só que com bem menos glamour.
Ou seria um de terror?

Eu sei que não tem nada na geladeira,
mas eu não sei qual é a façanha de abri-la
incansavelmente a madrugada toda.

No quarto,
deitei esquisitamente no chão,
onde consegui ver todas as estrelas que sorriam pra mim.
Céu limpo, uma das vantagens de ser do interior.

Frio na barriga, insegurança, medo.
Desde o dia que minha luz do fim do túnel começou a piscar,
eu sinto tudo isso.
Instável, chocante e aterrorizante.

Quando ninguém está do seu lado,
nem seus pais, seus amigos e muito menos o universo.
Quando você tenta cavar até achar uma pontinha de luz,
se dá conta que
ela nunca saiu de lá.

Na verdade,
tudo bem,
porque sinto-me bem por…

View original post 37 more words

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s